domingo, 20 de abril de 2008


2 comentários:

Laura disse...

O que eu estou aprendendo desta estoria eh que definitivamente eu nao confio em NINGUEM pra tomar conta do meu filho!
Muito, muito triste

Andréa Brelaz disse...

Oi! Laurinha!

O PIOR e o + triste dessa história e de outras, conhecidas diariamente através da mídia, é que na verdade é sempre alguém da FAMÍLIA, por exemplo: pai, mãe, padrasto, madrasta, tios, e por aí vai.